É normal uma mulher ejacular? Contamos 6 coisas que acontecem entre a paquera e o orgasmo para você conhecer sua fonte de prazer, veja!

Texto Bárbara Rossi | Adaptação Ana Araujo
Veja curiosidades sobre o orgasmo feminino
Você sabia que cerca de 10% das mulheres ejacula quando tem um orgasmo?
Foto: Reprodução Pinterest/janeiceholl
O que acontece com o corpo feminino quando fica excitado não é tão óbvio quanto uma ereção masculina. Mas é tão estimulante quanto. É assim que seu corpo reage durante um orgasmo:
1. “No exato segundo em que nosso corpo sente atração por alguém, o cérebro manda aumentar a circulação de sangue lá embaixo, fazendo as terminações nervosas ficarem em alerta", explica o ginecologista Jorge Serapião, do Rio de Janeiro. Esse processo libera as secreções vaginais – um lubrificante natural composto de aminoácidos e proteínas.
2. Durante o orgasmo também há a liberação de oxitocina, conhecido como o hormônio do amor. Não é à toa que depois de chegar lá, muitas de nós só quer ficar na cama, aconchegada ao gato.
3. As terminações nervosas nas áreas mais sensíveis da vagina ficam em alerta e o tecido doclitóris incha e aumenta de tamanho em até três vezes! Sim, é como se você tivesse uma pequena ereção.
4. “No momento do orgasmo há uma descarga de hormônios e neurotransmissores muito intensa, liberando a sensação de prazer", conta o ginecologista Domingos Mantelli, de São Paulo. As contrações musculares intensas sentidas na região íntima são espalhadas por coxas, glúteos, tórax e abdome.
5. Em cerca de 10% das mulheres, as contrações dos músculos do assoalho pélvico durante oorgasmo podem fazer que um líquido seja expelido pela uretra. O fluido, ao contrário do que muitos possam pensar, não tem nada a ver com urina. Ele é, na verdade, semelhante aos liberados pelo homem – por isso é conhecido como uma espécie de ejaculação feminina. Se isso acontece com você, não se preocupe: ejacular não é doença e muito menos embaraçoso.
6. Apenas 30% das mulheres têm orgasmos com penetração. "Chegar lá" com estímulos noclitóris é muito mais comum.

61
escolhendo-roupa“É mais importante agradar a Deus do que aos homens” (At 4,19).
Recentemente, recebi pela internet um texto interessante, não sei quem é o autor, mas achei interessante transcrever aqui para que pudéssemos refletir:
“Quatro mulheres foram em uma reunião usando roupas muito indecentes que mostraram muito bem seus corpos. O líder do lugar deu-lhes uma boa olhada e disse-lhes para se sentar. Depois de olhar nos olhos delas disse algo que nunca vou esquecer na vida:
– Senhoras, tudo o que Deus tem feito valioso neste mundo é bem coberto e difícil de ver, encontrar ou obter. Por exemplo:
1. Onde você pode encontrar os diamantes? No fundo de uma caverna, coberta e protegida.
2. Onde estão as pérolas? No oceano, coberto e protegido em uma bela concha.
3. Onde você pode encontrar ouro? Sob a terra, coberto com camadas de rocha e para obtê-lo você tem que trabalhar duro e cavar fundo.
Ele tendo dito isso, se virou para olhá-los atentamente e falou:
– Seu corpo é sagrado e único. Você é mais preciosa do que o ouro, diamantes e pérolas, e deve ser coberto também. E se você se preservar, se você mantiver seus preciosos minerais como ouro, diamantes e pérolas profundamente cobertos, uma mineração organizada e respeitável com a maquinaria necessária vai realizar anos de exploração extensiva.
Primeiro você terá contato com o governo (a família), vai assinar contratos profissionais (casamento) e desenhar profissionalmente (casamento civil). Mas se você deixar seus preciosos minerais na superfície da terra, você sempre irá atrair um grande número de mineiros ilegais para entrar e explorar ilegalmente …
cpa_como_fazer_a_vontade_de_deusVista-se bonita, mas decente! Seu corpo é bonito, seu corpo é um tesouro, e um dia um homem bom, digno de descobrir você vai se sentir feliz em fazê-lo…”
Lendo esta reflexão, lembrei-me de uma frase do Papa
São João Paulo segundo às mulheres: “Esconda a beleza do teu corpo para que as pessoas apreciem a beleza de tua alma”.
Isso é uma grande verdade. Sempre me impressionou o fato da mulher ser a última criação de Deus. Sempre vi nisso algo de especial. Ora, se Deus criou o mundo em “seis dias”, e foi fazendo tudo surgir numa ordem crescente de perfeição: minerais, vegetais, animais, homem e mulher; então, a mulher é a mais linda criação de nosso Pai. Isto me faz entender um pouco melhor a sua beleza, e também as suas dores. De um lado é a mais linda das criaturas, não só na beleza do corpo, dos olhos, dos cabelos, das mãos, que fascinam os homens; mas especialmente pela beleza do seu espírito: delicada, sensível, doce, detalhista, suave e frágil como uma flor de pessegueiro, mas, às vezes, paradoxalmente, rígida e forte como uma lâmina de aço. Ela é a mais linda flor que o divino Jardineiro plantou nesta Terra; foi criada para ser mãe, tal como a terra para dar o fruto. A mulher traz um toque especial do criador, por isso, precisa cada vez mais conhecer o seu valor e saber se preservar.
No entanto, se a mulher quiser exaltar e mostrar seu corpo, pode ser que os homens não prestem atenção em seus valores intelectuais, morais e espirituais. Se ela ressaltar seu aspecto sexual, pode ser que eles valorizem mais suas formas físicas que a sua bondade; se usarem roupas provocantes para marcar e modelar o seu corpo, pode ser que eles valorizem mais seu exterior do que seu interior, mais suas “curvas” do que o seu caráter… e tudo isso acaba por desvalorizá-la. Sinto que algumas mulheres não percebem que são levadas por uma moda que lhes leva a se vestir de uma maneira não adequada. A falta de pudor, provoca instintos e paixões, e fere a dignidade humana. A pureza do coração é a qualidade que nos permite ver o verdadeiro valor do outro.
Jesus disse aos homens: “Todo aquele que olhar para uma mulher com desejo malicioso já cometeu adultério com ela em seu coração” (Mt 5,28). Ora, isto torna-se para os homens algo mais difícil de viver se as mulheres se vestirem de maneira inconveniente. Digo isso, porque já ouvi muitos homens que querem viver a castidade, reclamando disso.
A falta de pudor, provoca instintos e paixões, e fere a dignidade humana. Eu noto que no Brasil esta tendência é muito mais exagerada que em outros países em que já estive.
Não há que se opor ao uso de roupas descentes para a praia, piscina, ginástica, etc., cada ambiente exige um tipo de roupa adequada, desde que se evite a imoralidade.
O corpo humano é criatura de Deus; é “templo do Espírito Santo” (1 Cor 3,16; 1 Cor 6,15.19) e traz em si as marcas da sabedoria do Criador. Mas dentro do ser humano, a afetividade nem sempre obedece à razão. Daí a necessidade de se evitar a excitação sensual. É preciso cuidar de nossa alma, mas também não podemos esquecer do nosso corpo. Se nos vestimos mal, de forma inadequada, podemos provocar pensamentos e atos impróprios e impuros. Aquele que olha com malícia deve cuidar para que lute contra isso, mas aquele que é olhado também precisa refletir, ter compaixão e se colocar no lugar do outro. Será que não estou sendo motivo de queda para o meu irmão?
A Sagrada Escritura ensina que Deus constituiu os primeiros pais em estado de santidade e filiação divina (“justiça original”), havia uma harmonia perfeita consigo mesmo, com a natureza e com Deus; então estavam nus, mas não sentiam rubor por isto (cf. Gn 2, 25); possuindo a amizade e a graça de Deus, desfrutavam de harmonia em si mesmos ou em seus instintos. Mas nossos primeiros pais pecaram, não se mantendo na fidelidade a Deus. Uma das consequências deste ato de rebelião é assim descrita pelo texto sagrado: “Abriram-se os olhos aos dois e, reconhecendo que estavam nus, prenderam folhas de figueira umas às outras e colocaram-nas como se fossem cinturões à volta de seus rins” (Gn 3, 7).
O homem sente vergonha de sua nudez em consequência do pecado, ao passo que antes deste não o sentia. O pecado despojou o homem da amizade e da graça de Deus, que o tornavam harmonioso. Para evitar as manifestações desta desarmonia, o homem passou a usar veste.
cpa_sede_santosO Catecismo da Igreja nos ensina, quando trata da castidade que:
“A pureza exige o pudor. O pudor preserva a intimidade da pessoa, e consiste na recusa de mostrar aquilo que deve ficar escondido. Está ordenado à castidade, exprimindo sua delicadeza. Orienta os olhares e os gestos em conformidade com a dignidade das pessoas e de sua união” (n.2351).
“O pudor inspira um modo de viver que permite resistir às solicitações da moda e à pressão das ideologias dominantes” (n.2323).
“A pureza cristã requer uma purificação do clima social. Exige dos meios de comunicação social uma informação que não ofenda o respeito e a modéstia” (n.2325).
A moda feminina, muitas vezes, procura mostrar e acentuar as partes do corpo da mulher que mais devem ser escondidas e não exaltadas. Então, há de se fazer um filtro; “Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém” (1Cor 6,12).
Enfim, as mulheres cristãs devem se nortear por aquilo que disse Exupèry: “O essencial é invisível aos olhos”. O poder das mulheres não está na sua sexualidade, mas na sua humanidade; então, ela deve procurar sua realização naquilo que é imperecível. “É mais importante agradar a Deus do que aos homens” (At 4,19).
Prof. Felipe Aquino




  • Celibato e Eucaristia

    Padre Paulo Ricardo - 29/07/2010 - código CD 25. 07016 DVD 26. 07016

    Adquira esta Pregação pela Central de Atendimento 24 horas (12)3186 2600

    165px/Pe Paulo Ricardo

    Papa Bento XVI falou a respeito do celibato sacerdotal: Que no mundo, no qual ninguém quer se casar, mas ter apenas uma amizade colorida, muitas pessoas ficam reivindicando o casamento dos padres. Existe uma diferença muito grande entre o celibato do padre e o solteiro no mundo, pois este último está solto e não querer se casar é o "não" ao compromisso e à responsabilidade. E o celibato sacerdotal é um "sim", visto que é uma entrega. O mundo é contra o celibato dos padres, pois não quer aceitar que para haver a entrega por amor não é necessário sexo.

    Local: Rincão do meu Senhor / Cachoeira Paulista.

    Horário: 14:00 Hs. / Quinta feira de Adoração

    Conteudo da Pregação

    Nos últimos tempos, temos enfrentado um ataque frontal contra o celibato sacerdotal. Muitos afirmam que o fenômeno da pedofilia é culpa do celibato sacerdotal. Forçando o casamento de padres para que não sejam “anormais”. São ideias do mundo que admitem não haver a possibilidade de ser uma pessoa normal socialmente se não obtiver a relação sexual.
    O nosso maior exemplo disso é Jesus Cristo e a Virgem Maria, que alcançaram o objetivo do Pai. O ser humano não é escravo de sua sexualidade, a sua forma de viver o sexo é completamente diferente [da forma como o vivem] dos animais.
    Quando o animal está no cio, não há opção, ele precisa da relação sexual. Mas, os seres humanos são diferentes, quando vivem a relação sexual têm a relação com a alma também. Animais não entram em crise, não precisam de psicólogos. A vaca não fica deprimida.
    Quando a relação sexual é sem a entrega, ela é frustrante e alimenta um sentimento de morte, de perda. Freud constatou: "O sexo está unido ao sentimento de morte. A energia vivida do sexo está ligada a uma tendência para morte." Porque o ser humano, ao ter relação sexual, não deve fazê-la com o corpo, mas com a alma.
    Não somos meros animais ligados aos instintos, viemos a este mundo para o amor, esta é a nossa vocação principal aqui na terra, para um dia mergulhar na Santíssima Trindade no céu. Não existe vocação para o egoísmo. Muitos confundem a crise emocional com a crise de conversão. Um rapaz quer ser padre, mas pensa em cair na noitada e sair com muitas mulheres. Isso não é crise vocacional, mas crise de conversão. Você pode escolher ser um sacerdote, ser casado, médico, mas é necessário o discernimento vocacional.
    A vocação primeira é saber que somos chamados ao amor no céu; mas, aqui na terra, já devemos dar os primeiros passos, como uma criança que quer aprender a andar e, muitas vezes, cai.
    Fui reitor do seminário durante 15 anos, e nos encontros vocacionais anuais, eu falava: “Vocês nasceram para fazer a entrega da sua vida por amor, seja para se casar, na sala de aula, sendo um celibatário. De qualquer modo, você nasceu para doar sua vida; esta é a nossa vocação”. O mundo não conhece o celibato sacerdotal, pois não conhece o amor, não conhece a Deus. O sentimento agradável não é o amor, que acontece mesmo quando o sentimento evapora, pois o sentimento é ligado ao corpo. Há momentos em que estamos entusiasmados e outros, não.
    amor não é o sentimento, mas a entrega, a doação fiel. O mundo também não entende o casamento.
    Papa Bento XVI falou a respeito do celibato sacerdotal: Que no mundo, no qual ninguém quer se casar, mas ter apenas uma amizade colorida, muitas pessoas ficam reivindicando o casamento dos padres. Existe uma diferença muito grande entre o celibato do padre e o solteiro no mundo, pois este último está solto e não querer se casar é o "não" ao compromisso e à responsabilidade. E o celibato sacerdotal é um "sim", visto que é uma entrega. O mundo é contra o celibato dos padres, pois não quer aceitar que para haver a entrega por amor não é necessário sexo.
    Estes escândalos de pedofilia com padres é por falta do celibato [verdadeiro], deixando o amor e vivendo o egoísmo.
    O padre poderia deixar de ser celibatário, mas esta hipótese a Igreja não gostaria que acontecesse, pois o sacerdócio é adequado ao celibato.
    O sacerdote é o homem que celebra a Eucaristia. O sacerdócio, nas religiões pagãs, muitas vezes, é o homem que mata; mas a partir de Jesus, o sacerdote é o sacrifício morrendo para si e vivendo para Cristo.
    Jesus é o Sacerdote verdadeiro, pois se ofereceu em sacrifício. Todos somos membros do Corpo de Cristo, por isso devemos nos entregar a Deus na cruz. Pedro deixou a sua família para se entregar a Deus e viveu o celibato. Durante muitos séculos, a Igreja ordenou homens casados que começaram a viver o celibato.
    O padre é um fiel escolhido no meio dos fiéis para representar Cristo, o Esposo. O sacerdote é uma pessoa-sacramento, um sinal do Cristo. Padres vestem batina preta justamente para lembrar como Cristo se entregou na cruz. Se o padre é o esposo, assim não é conveniente que ele tenha outra esposa.
    Papa João Paulo II colocou um ponto final nas teologias liberais: A Igreja não tem o poder de ordenar mulheres, elas podem ser muitas coisas, mas não podem ser pai, esposo, assim como não podem ser padre. O sacerdote é o pai espiritual da comunidade e esposo da Igreja. Como o homem, que não tem o direito de ficar grávido. Deus nos criou assim.
    Cientistas querem fazer mudança de sexo para os homens engravidarem, pois querem brincar de Deus. A Igreja não é Deus, mas serva do Senhor. A Virgem Maria era digna para ser sacerdote, mas Jesus escolheu Doze pecadores: Ele queria estes homens para simbolizar a paternidade espiritual. O padre é como um pai, um esposo.
    Um sacerdote não se casa, pois é sinal de Cristo Esposo. A Igreja poderia ordenar um homem casado? Sim, mas não é a vontade da Igreja .
    O índice da pedofilia entre padres é muito menor do que os casos ocorridos no resto da população, não podemos deixar que isso abale nossa . Padres são homens pecadores, que se confessam, esperamos que eles entreguem a vida a Deus. O padre que cometer um pecado grave, como a pedofilia, a Igreja o afasta deste ministério, pois ele quebrou a sua imagem do Cristo na Igreja.
    Por que beijamos as mãos do padre? É por sua ordenação, que representa as mãos chagadas de Cristo, as quais se elevam na apresentação do Corpo e do Sangue precioso de Cristo.
    Se, na hora da minha morte, eu tivesse de escolher entre ter ao meu lado a Virgem Santíssima ou um padre pedófilo, com o pecado mortal, eu escolheria o padre pedófilo, pois ele pode me absolver dos pecados. Se o demônio acha que somos intimidados com estes escândalos, ele está enganado!
    Rezemos pelos sacerdotes, para que possam ser fiéis no celibato, como para os demais homens no matrimônio. Não é possível ser fiel sem Deus
Não se deve confundir “sexo oral” com “prelúdio sexual”
Antes de tudo, é preciso dizer que nunca encontrei, na Bíblia ou em algum documento oficial do magistério da Igreja, a expressão “sexo oral” ou algo que trate do assunto.
Penso, então, que se deva entender por “sexo oral” a realização do ato sexual do casal por meios orogenitais, chegando-se ao orgasmo desta forma. Mais explicitamente falando, é o emprego da boca e da língua que, em contato direto com o órgão sexual do parceiro, pretende levá-lo ao orgasmo. Realmente isso não tem sentido, pois não foi assim que Deus programou a vida sexual do casal. É antinatural.
As cinco fases do ato conjugal
A moral católica é baseada nisso: o que é natural é moral; o que não é natural, é imoral. O ato sexual é a “liturgia” conjugal, onde o casal celebra o amor e gera os seus filhos.Assim, há duas dimensões na vida sexual: unitiva e procriativa.
É evidente que pelo sexo oral, como descrito acima, além do mais, fecha as portas para a concepção e anula-se uma das dimensões do ato sexual. Isso mostra que esse tipo de atividade sexual deve ser descartada.
Por razões, muito mais graves ainda, o tal “sexo anal” não deve ser realizado por um casal cristão; é totalmente antinatural e imoral. Creio que se pode admitir como lícita alguma liberdade sexual para o casal, enquanto se está no “prelúdio” da relação, naqueles casos em que o parceiro precisa desse estímulo para chegar ao orgasmo junto com o outro. Mas não se pode realizar o ato sexual de maneira oral por ser contra a ordem da natureza. O casal não precisa dessas extravagâncias para ser feliz na vida sexual.
Não se deve confundir “sexo oral” com o “prelúdio sexual”, ambos completamente diversos um do outro. O prelúdio, ou preparação para o ato sexual, com razão, além de lícito, é muito importante. E é ele, através de todo o contexto de carinho, que diferencia a relação sexual humana e a animal. Sem as carícias, os toques e as manifestações de afeto que precedem a consumação do ato sexual, este se limitaria a uma relação puramente animal.
De modo geral, as esposas precisam de um bom prelúdio sexual, com carícias até mesmo orogenitais, antes da penetração, para que possam chegar ao orgasmo. O marido pode e deve intensificar ao máximo as carícias, os toques, os carinhos e as palavras, no prelúdio, para que a esposa chegue ao orgasmo na penetração. É o amor que deve levar o marido a essa atitude, e não apenas a busca de um prazer sem limites.
Não se pode realizar a atividade sexual por meios não próprios para ele. E é exatamente por isso que, tanto quanto o sexo anal, o sexo oral é ilícito; é algo totalmente antinatural.

Felipe Aquino

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino